1.png
Vibropac - pré tratamento de água e efluente
INDUSTRIA QUÍMICA
INDUSTRIA ÓLEO E GÁS
MINERAÇÃO
INDUSTRIA ALIEMNTOS E BEBIDAS
INDUSTRIA FARMACEUTICA
INDUSTRIA AÇUCAR E ÁLCOOL
Osmose Reversa
Osmose Reversa

press to zoom
Osmose Reversa
Osmose Reversa

press to zoom
Osmose Reversa
Osmose Reversa

press to zoom
Osmose Reversa
Osmose Reversa

press to zoom
1/4

OSMOSE REVERSA

A Osmose Reversa é o nível mais elevado de filtração disponível. Suas membranas agem como uma barreira física às contaminações com poros da ordem de 0,5 nanômetro, unidade de medida 10 milhões de vezes menor que 1 milímetro. A dimensão de sua porosidade é capaz de reter todos os sais e moléculas inorgânicas dissolvidas, como também moléculas orgânicas com um peso molecular maior que 100.

Por outro lado, moléculas de água que são bombeadas em altas pressões tangencialmente à esta parede de membrana, a atravessam, criando um fluxo de produto purificado chamado de permeado. A rejeição de sais dissolvidos fica acima de 99% criando o fluxo que conhecemos por rejeito.

Um sistema de filtração em osmose reversa opera sob condições extremas, dada as dimensões de partículas à que ela filtra, pressão da água bombeada e interferência física e química que os contaminantes criam durante esta etapa, por isso a necessidade de se contar com uma empresa séria e experiente para desenvolver o projeto e construção destes equipamentos, e assim garantir a produção de água eficiente e sem surpresas. ​

DESSALINIZAÇÃO

Dessalinização, o processo de remoção dos sais dissolvidos na água até níveis semelhantes aos da água em suas fontes naturais – poços e rios – ou também ao nível da desmineralização ou deionização completa. O que difere são as concentrações de sais presentes em águas salgadas ou salobras em sua origem, como a do mar, que contém em média 35 gramas de sal em cada litro, bem maiores que em outras aplicações onde a quantidade de sal é cerca de 100 vezes menor que em fontes de água doce.

Toda esta elevada concentração de salinidade exige a mais avançada tecnologia de filtração: a Osmose Reversa. Dentro das tecnologias existentes, este é o nível mais elevado de filtração disponível. A membrana de OR age como uma barreira física aos sais e moléculas inorgânicas dissolvidas, como também nas moléculas orgânicas com um peso molecular maior que 100. Por outro lado, moléculas de água atravessam a membrana criando um fluxo de produto purificado onde a rejeição de sais dissolvidos fica acima de 99%.

DESSALINIZAÇÃO
DESSALINIZAÇÃO

press to zoom
DESSALINIZAÇÃO
DESSALINIZAÇÃO

press to zoom
DESSALINIZAÇÃO
DESSALINIZAÇÃO

press to zoom
DESSALINIZAÇÃO
DESSALINIZAÇÃO

press to zoom
1/4
ULTRA FILTRAÇÃO
ULTRA FILTRAÇÃO

press to zoom
ULTRA FILTRAÇÃO
ULTRA FILTRAÇÃO

press to zoom
1/1

ULTRA FILTRAÇÃO

Com a contínua busca por biosseguridade em fontes de água, a Ultrafiltração (UF) é a tecnologia em filtração que mais vem ganhando relevância nos projetos de tratamento de água devido suas condições operacionais simples e robustas que requerem baixo consumo energético provendo água de alta qualidade.

Sua operação se baseia em uma barreira física, composta por uma membrana semipermeável, onde são retidos todos os sólidos em suspensão da ordem de 0,1 a 0,005 micrômetros – a milésima parte de 1 milímetro – que englobam não só micropartículas, mas também vírus, bactérias, macromoléculas, coloides entre outros, disponibilizando uma água de padrão superior.

  • Remoção de micro-organismos:

      • (log 6) 99,9999% de retenção de bactérias

      • (log 4) 99,99% de retenção de vírus

  • Menor consumo energético sobre sistemas convencionais

  • Remoção completa de sólidos SST < 0.1 mg/l e TURBIDEZ < 0.1 NTU

  • Excelente Pré-tratamento para Osmose SDI < 3

  • Remoção parcial de matéria orgânica (DQO, DBO, TOC, cor)

SISTEMA DE TROCA IÔNICA

O processo de troca iônica é a tecnologia mais consolidada na remoção de sais inorgânicos em meio líquido. Seu funcionamento se baseia na troca de íons – átomos que perderam ou ganharam elétrons – que ficam armazenados nas resinas – milhares de pequenas esferas de polímeros menores que 1 milímetro formando um leito filtrante por adsorção – e quando o íon a ser removido a encontra, é substituído quimicamente pelo íon estava presente na resina, como ilustrado abaixo para o processo de desmineralização por resinas carregadas positivamente (catiônicas) e negativamente (aniônicas).

Este processo apresenta ampla utilização pela seletividade dos sais que se deseja remover, o que torna sua operação muito econômica em processos em que não se requer a retirada completa dos contaminantes, como a remoção de dureza, sais compostos por cálcio de magnésio em abrandadores, por exemplo. Adicionalmente, sua simplicidade operacional, construtiva e qualidade final da água tratada que pode alcançar os padrões de remoção salina mais puros sem grandes investimentos o tornam a escolha ideal.

SISTEMA DE TROCA IÔNICA
SISTEMA DE TROCA IÔNICA

press to zoom
SISTEMA DE TROCA IÔNICA
SISTEMA DE TROCA IÔNICA

press to zoom
1/1
SISTEMA DE REMOÇÃO DE FERRO E MANGANÊS
SISTEMA DE REMOÇÃO DE FERRO E MANGANÊS

press to zoom
SISTEMA DE REMOÇÃO DE FERRO E MANGANÊS
SISTEMA DE REMOÇÃO DE FERRO E MANGANÊS

press to zoom
1/1

SISTEMA DE REMOÇÃO DE FERRO E MANGANÊS

A Zeólita é um mineral natural que constitui um meio filtrante granular onde se combinam importantes funcionalidades na etapa de pré-tratamento: não somente elas retem particulados suspensos na água como também realizam a troca iônica, neste caso, seletiva a alguns cátions – íons com cargas positivas – provendo a adsorção de íons metálicos, destacando-se sua eficiência para remoção dos íons de Ferro (Fe2+) e Manganês (Mn2+).

Estes íons metálicos têm sua origem geralmente provenientes da geologia dos solos e ainda assim, apresentar elevada variação em seus níveis em uma mesma região, por isso muito presente em águas oriundas de poços. Uma água rica em ferro e manganês é facilmente notada pela sua coloração avermelhada, que mesmo quando não perceptível a olho nu, rapidamente forma precipitações com cor de ferrugem por onde passa ou se acumula.

O Ferro e o Manganês quando presentes em níveis elevados, devem ser removidos ainda na etapa de pré-tratamento em sistemas de filtração de água, ainda mais quando desenhados para alimentar tratamentos mais elaborados que se utilizem das tecnologias de Troca Iônica, Osmose Reversa, Ultrafiltração e Eletrodeionização Contínua (CEDI) para remoção de sais da água, uma vez que o Ferro e o Manganês se depositam de forma irreversível nestas mídias filtrantes,  fenômeno conhecido também como colmatação e que reduz severamente o desempenho destes equipamentos, elevando os custos operacionais.

FILTRO DISCO - STF®

Filtros disco se destacam por sua versatilidade em projetos de filtração que buscam operações automáticas com baixo consumo de água para limpeza e retrolavagens com ciclos de operações mais longos ou até mesmo contínuos, dependendo do arranjo do trem de filtração. Sua modularidade o permite trabalhar desde pequenas vazões até mesmo ser a opção elegida para o pré-tratamento de grandes estações de tratamento de águas e efluentes na indústria e saneamento.

Compostos por materiais poliméricos resistentes às condições agressivas, apresentam durabilidade superior se comparado aos sistemas tradicionais por filtragem granular onde requer troca e reposição frequente do meio filtrante devido às condições de operação do processo ou danos às crepinas.

FILTRO DISCO
FILTRO DISCO

press to zoom
FILTRO DISCO
FILTRO DISCO

press to zoom
1/1
BIORREATORES COM MEMBRANAS (MBR)
BIORREATORES COM MEMBRANAS (MBR)

press to zoom
BIORREATORES COM MEMBRANAS (MBR)
BIORREATORES COM MEMBRANAS (MBR)

press to zoom
1/1

BIORREATORES COM MEMBRANAS (MBR)

Uma das grandes dificuldades em projetos de tratamento de efluentes e águas residuais quando o foco é sua reutilização, é a aplicação de diversos tratamentos unitários necessários para remover todos os contaminantes que estão presentes, muitas vezes não compatíveis com as etapas subsequentes do processo.

A matéria orgânica diluída na água proveniente de efluentes domésticos e processos industriais requer tratamento biológico específico, com bactérias que consomem estes contaminantes como seu alimento – biodegradação – em contrapartida, geram sólidos menos nocivos ao meio ambiente que serão removidos em etapas posteriores. Após remoção deste particulado, a água encontra-se clarificada, estando pronta para retornar à natureza ou até mesmo, ser reutilizada se desinfectada.

O Sistema de MBR (Membrane Bio Reactor) combina as tecnologias de membrana de micro e ultrafiltração com o tratamento biológico, substituindo o processo de clarificação (decantador secundário + polimento) em um único passo, disponibilizando assim, um efluente de alta qualidade aplicável à projetos de reuso de água com espaço reduzido e estabilidade no processo.

  • Menor área de instalação

  • Remoção completa de sólidos SST < 0.1 mg/l e TURBIDEZ < 0.1 NTU

  • Excelente Pré-tratamento para osmose reversa SDI < 3

  • Polimento na remoção de matéria orgânica (DBO, DQO, TOC, cor)